FIZ O MELHOR QUE PODIA

Tenho enfrentado pequenos monstros. Cresci cheia de privilégios e cheia de crenças que me foram colocadas apenas porque sim. Em tempos mais revoltos, eu até erguia o dedo para apontar culpados. Hoje, depois de amadurecer com a vida, entendo que ninguém – de fato – tem culpa. É tudo uma imensa construção social; tudo uma imensa preocupação e uma imensa vontade de “fazer o melhor que posso”. Fizeram o melhor que puderam. Eu fiz o melhor que pude. E tudo bem.

Quer ler mais?

Inscreva-se em www.mafeprobst.com.br para continuar lendo esse post exclusivo.

Assine Agora
43 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo